quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Paradoxal



Por não te ver
e por que não o queres
dentro de mim eu quero
e o desejo é tão cruel...

Por não teres afinco,
pretensões maledicentes
por seres meigo e inocente
eu sigo a prever o desejo

Retardo... retardas as falas
que se jogam em nuvens calmas
de enervante mistério

que nos leva ao complexo
ato de fazer amor com os pensamentos.

Nenhum comentário: