domingo, 12 de agosto de 2012

Anéis de Saturno


Quero com ondas brincar
- não com as ondas do mar...
Mas com estas, de teu cabelo
de teus cachos a me embalar.

São prisões os teus braços
que tem no peito um valioso achado
no qual eu deito o ouvido
- e bailo com o coração.
Dedilho teus lábios qual lira
ah, essa voz que nunca desafina
fugindo das brancas e mansas maçãs...

Descreve-me este beijo que despe
e o apelos nos negros crescem...
Crescem qual escuro de nosso quarto,
qual as asas de um morcego!

Não tenhas medo... Eu te beijo...
Beijo e meus pés suavemente
da terra de desprendem
- Subo aos céus, sobe a temperatura
Vira-me do avesso
Desvenda-me qual gravura
qual pintura de Picasso
- Sou tu, no amor, e na guerra
(Meu Adão, sou tua doce Eva)...

Porque só tu tentas e por fim,
me compreendes...
mas logo desistes porque
não podes compreender o que compreendes!

E é tu... Tu -  o único
que vejo e o único que nunca foi meu,
e que desejo, mesmo sendo meu.
E ainda que não fosses sempre meu
juro que serias como agora.

Tu me pegas pelas mãos e me convidas
a fugir sem demoras, a um lugar só nosso
onde nem nós mesmos saibamos
que nos amamos loucamente...

(Mas toda rua tem marca da gente!)

Oh, este amor inocente e selvagem
caliente e ideal
telepático e alérgico
aos execessos mal-do-século
- estes que se atiram de sacadas razas...

Eis que me lembro
pois nunca dissestes: "Eu te amo!"
Pois és real...
A não ser
que estou dormindo e não sei...

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá... Ótimo blog... coneça o meu tb... claro, é diferente emtemática e abordagem... o endereço é letrassombrias.blogspot.com.

Cibele de Carvalho disse...

Que bom saber que voltastes a escrever aqui...fico feliz. Saudosa de tua escrita.
Eu, gostaria de dormir mais...sonhar menos.

Cibele de Carvalho disse...

Fico feliz que voltou a escrever aqui...só agora percebi. Saudosa de sua escrita.
Eu gostaria de dormir mais...sonhar menos...e não acreditar em sonhos.